Casa na Rocha

Para nós cristãos, a diferença entre um homem prudente e um homem imprudente reside no local onde ele firma seus pés. Há aqueles que firmam seus pés em terrenos inseguros, movediços, traiçoeiros. Estes, imprudentes, fixam seus olhos naquilo que é momentâneo e fugaz, deixando de lado o que é duradouro. Já aqueles que põe os seus pés em solo firme, seguro, na rocha, têm a confiança e a garantia de que, venha a tempestade ou a bonança, sua base é firme.

Lemos a parábola dos dois alicerces contada por Jesus, e percebemos que não é interessante construir nossa casa sobre a areia. Sabemos que nossas vidas precisam estar fundamentadas em Cristo, para assim termos a segurança de não sermos abalados por aquilo que encontramos ao longo da vida. E neste contexto, é fácil perceber como é importante que nossas famílias estejam bem fundamentadas na Rocha, de forma que, em tempos bons ou ruins, possamos ter plena confiança no arrimo de nossas vidas.

Casa na Rocha é a canção que escrevi para falar de meu casamento com Eline. Eu a compus enquanto morávamos em Manaus, como um reconhecimento de que eu só poderia ser um bom marido para a minha esposa se minha confiança e amor estivessem plenamente depositados em Cristo. Afinal, se aquilo que é requerido de nós maridos é que amemos nossas esposas “assim como Cristo amou a Igreja e entregou-se a Si mesmo por ela” (Efésios 5.25), é apenas amando e confiando em nossos Senhor que conseguiremos cumprir esta ordem.

Hoje, enquanto aguardamos a chegada de nossa filha, Sarah, esta música tem se tornado meu hino pessoal. Minha casa está sobre a Rocha, a construi com temor. Não sou eu que a sustento, mas sim o Senhor. Esta convicção está cada dia mais firme em meu coração; é Ele o sustentador de nossas vidas. É Ele quem cuida de Eline durante toda a gestação (e ainda cuida), e é Ele quem cuida e tece com maestria a vida da Sarah no ventre da Eline. Dependessem elas de mim, estariam perdidas! Mas que grande Salvador nós temos – tanto elas quanto eu dependemos do poder e companhia de Cristo em nossas vidas.

Que grande conforto temos em saber que nossas vidas estão guardadas nas mãos de Deus, e que Ele nos sustém com amor, misericórdia e graça. E por isso, podemos cantar: Minha casa e eu serviremos ao Deus que cuida dos Seus, e que com graça sustenta quem ama as Suas leis.

A Ele seja a glória eternamente. SDG!

Eduardo Mano

Velhas Verdades em Portugal, 03

Pois decidi nada saber entre vocês, a não ser Jesus Cristo, e este, crucificado. 1 Coríntios 2:2

Desde que assumi o Velhas Verdades como o nome do ministério que levaria para frente, pensei que o texto acima era mais que ideal para refletir o propósito de se ter um ministério baseado na Palavra de Deus e que fosse trabalhar com música e missões. E tenho visto que Deus já provou, mais de uma vez, que este caminho é acertado.

Nas duas últimas semanas eu e Eline aproveitamos os baixos preços de passagens aéreas aqui pela Europa e fomos visitar alguns amigos, ministérios e igrejas em países próximos. Neste relatório, gostaria de destacar dois momentos.

Estivemos em Paris visitando o pastor Gustavo Faleiro, que em alguns dias retornará ao Brasil mas que mantém um trabalho muito importante na cidade. Pudemos conversar e partir do pão com ele, sua esposa Dalila e filhos. Soubemos sobre o trabalho que eles têm empreendido na cidade e de como toda a situação dos atentados se formou. Nosso sentimento enquanto andávamos pelo metrô e trens da cidade, bem como nas ruas, era de um povo desesperançado. Infelizmente, quando falamos sobre isso com eles, soubemos que este é o clima geral da cidade, e não só por causa dos atentados. Infelizmente há muitos suicídios, descaso de filhos em relação aos pais e dificuldade em aceitar uma mão estendida em ajuda. Ore pela Église Bonne Nouvelle, que permanece firme enquanto eles estiverem de volta ao Brasil, e também pela Missão França, que visa a pregação do Evangelho no país.

Estivemos também na cidade de Milão, onde fomos acolhidos pelo casal Ângela e Osiel, líderes da Chiesa Cristiana Evangelica Battista di Milano. A igreja, liderada por brasileiros e italianos, mas de fala italiana, tem sido um farol na cidade, e tem a simpatia de muitas pessoas que estão próximas a ela, mesmo não cristãos. Através de um amigo em comum, o pastor André Aguiar, pudemos servir a estes irmãos trazendo a palavra e o louvor durante um final de semana. O carinho com o qual fomos recebidos nos constrangeu. Brasileiros e italianos, de igual forma, foram muito amáveis e receptivos, mesmo que a língua fosse uma barreira. Chegamos a traduzir, com a ajuda do pastor André, três de nossas músicas (Mais Chegado que um Irmão, Como Ninguém me Conheces e Tu és Deus), mas não tivemos tempo para utilizá-las. Mas nada impede que as utilizemos no futuro. Ore pelos irmãos em Milão e por tudo aquilo que Deus tem reservado para eles no próximo ano.

O casal Ângela e Osiel, que plantou e hoje lidera, junto a outros irmãos, a Igreja Evangélica Batista de Milão

O casal Ângela e Osiel, que plantou e hoje lidera, junto a outros irmãos, a Igreja Evangélica Batista de Milão

Voltando um pouco no tempo, no final de semana anterior à nossa viagem, estivemos na cidade de Guimarães, um pouco mais ao norte de Portugal, distante 1 hora (de trem) do Porto. Passamos o final de semana com o pastor Dinê Lóta, missionário da Junta de Missões Mundiais da CBB, e com sua esposa Rose e linda filhinha, Ana Clara. Dinê e eu estudamos juntos há quase 20 anos no colégio, e pela graça de Deus podemos estar novamente juntos em terras portuguesas. Em Guimarães, participamos do aniversário da congregação que ele pastoreia, filha da Igreja Baptista de Braga. Possivelmente estaremos juntos novamente, ainda em dezembro. Ore pelo pastor Dinê e sua família, bem como sua igreja. Guimarães é uma cidade fantástica, e Portugal é um país carente do Evangelho.

Dezembro e janeiro nos reservam muito trabalho, peço que orem por nós. Em breve escreverei mais um pouco sobre o que temos pela frente.

Um forte abraço a todos!

Eduardo e Eline Mano

Velhas Verdades em Portugal, 02

Uma das boa práticas de tentar escrever com um pouco mais de frequência sobre como tem sido nossa caminhada em Portugal é a possibilidade de escrever com mais regularidade no blog, algo que eu perdi ao longo dos anos.

Já se passaram alguns dias desde que escrevi o primeiro post de nossa temporada aqui. Infelizmente, naquilo que nos propusemos, que é ajudar as igrejas daqui naquilo que fosse necessário (seja com a música, palavra, ou mesmo estando junto), nada foi muito além de algumas conversas iniciais. Um bom momento foi um café da manhã com um pastor brasileiro que está aqui há alguns meses, e nos dias 15 e 16 estaremos na igreja deles. Fora isso, apenas conversas sem muita continuidade.

Cremos que Deus tem Seus propósitos, que são eternos e inabaláveis. Se Ele ainda tiver outras portas para que ajudemos, sei que Ele vai indicar. Enquanto isso, esperamos, oramos e estamos atentos.

Mas nem tudo é “tristeza”. Além da boa notícia de estarmos com amigos no mês que vem, há mais coisas boas. Em primeiro lugar, decidimos que enquanto estivermos no Porto, caso não tenhamos nenhum compromisso em outro lugar, participaremos dos cultos da PIB do Porto, uma boa igreja, com boa teologia, pastoreada por um brasileiro. Gostamos de estar lá, a Palavra foi pregada, então entendemos que seria um bom lugar para nosso proveito espiritual. Que Deus nos conceda amizades por lá.

PIB do Porto - Tabernáculo Baptista

PIB do Porto – Tabernáculo Baptista

Além disso, começamos algumas conversas com dois amigos de Lisboa sobre uma outra possibilidade ministerial no tempo em que estivermos aqui, mas como ainda precisamos ajustar algumas coisas, peço apenas as orações dos amigos a respeito disso.

Deus é bom e Sua misericórdia, eterna. Sentimos Sua poderosa mão no fato de sermos queridos por amigos aqui, amigos que nos conheceram há tão pouco tempo, e também por sabermos que há gente orando por nós no Brasil. Isso nos conforta e nos dá forças.

7 – Somente seja forte e muito corajoso! Tenha o cuidado de obedecer a toda a lei que o meu servo Moisés lhe ordenou; não se desvie dela, nem para a direita nem para a esquerda, para que você seja bem sucedido por onde quer que andar.

8 – Não deixe de falar as palavras deste Livro da Lei e de meditar nelas de dia e de noite, para que você cumpra fielmente tudo o que nele está escrito. Só então os seus caminhos prosperarão e você será bem sucedido.

9 – Não fui eu que lhe ordenei? Seja forte e corajoso! Não se apavore, nem se desanime, pois o Senhor, o seu Deus, estará com você por onde você andar”.

Josué 1:7-9

Que estas palavras nos fortaleçam, não apenas para o trabalho aqui, mas a todos quantos têm a certeza de que Deus detém o controle completo sobre suas vidas.

A Ele toda glória!

SDG

Velhas Verdades em Portugal, 01

received_10153577228895664

Bom, quem nos acompanha pelo Facebook, sabe que eu e Eline estamos há quase um mês em Portugal, onde ela está estudando até fevereiro do ano que vem. Quando estava quase tudo certo para virmos para cá, percebemos que era necessário entender esta oportunidade como uma porta aberta para Missões, e cremos que Deus tem dado provas suficientes disso.

Neste último final de semana, tivemos nossa primeira oportunidade de ministrar em igrejas portuguesas. No domingo pela manhã estivemos na Igreja Baptista da Graça, pastoreada pelo amigo Jónatas Lopes. Na verdade, estivemos durante todo o final de semana na casa de Jónatas e sua esposa Filipa, com seus filhos Raquel, Samuel e Gabriel. Uma família forte, fundamentada na palavra, e que tem se empenhado para que a Igreja da Graça prospere na tarefa de pregar o Evangelho em Lisboa.

Durante o culto tivemos a oportunidade de compartilhar com os irmãos sobre nosso trabalho, e também pudemos cantar algumas canções. Eline me acompanhou neste primeiro momento. A igreja já conhecia Mais Chegado que um Irmão e cremos ter sido muito bem recebidos por todos. A Igreja Baptista da Graça é uma igreja viva e que tem crescido. Junte-se a eles em oração por aquilo que Deus ainda vai realizar através deles em Lisboa.

Após o almoço, fomos para a Igreja da Lapa (que também é conhecida como a 2ª Igreja Baptista de Lisboa) onde eu participaria do encerramento do Fim-de-Semana Cheio da Lapa, um evento anual que conta com palestras e programações com a intenção de abrir as portas da Igreja para Lisboa, e ao mesmo tempo, de mostrar a Lisboa aquilo que se produz dentro da Igreja.

12068580_10153526087081187_5848839641907319912_o

Deram o nome de “Escritores de Hinos” para o momento do qual participamos eu, Jónatas Pires (ex-líder da banda Pontos Negros e um compositor de mão cheia) e Samuel Úria (um dos grandes nomes da música portuguesa contemporânea). A ideia é que cada um de nós tocasse três de suas composições mais um hino, momento em que cantaríamos juntos. Foram minutos muito especiais (e tem um vídeo aí em baixo para mostrar).

Depois de domingo, passamos a segunda-feira conhecendo alguns pontos de Lisboa e voltamos ao Porto na terça-feira de manhã. Temos conversados com alguns amigos e com algumas igrejas, e esperamos que Deus conceda outras oportunidades de O servimos por aqui. Continue orando pela gente.

Que Deus nos abençoe sempre!

Eduardo e Eline Mano

Velhas Verdades no Chile

Eu e Eline estamos de férias / missão / outras coisas no Chile. Viemos pela vontade constante e sempre crescente de conhecer a América Latina e pelo convite do Pastor Jonathan Muñoz, da Iglesia Uno. Ontem, tivemos a oportunidade de participar dos dois cultos da Igreja, que funciona em dois lugares: pela manhã nos Bairro Brasil / Yungay e à noite nos bairros Bellas Artes / Lastarria.

2015-04-19 11.18.27

Entrada da Igreja no Bairro Brasil / Yungay

Para mim foi uma óbvia alegria pois eu e o Pr. Jonathan há alguns meses vínhamos trabalhando na tradução de algumas canções minhas para o castellano, e durante os cultos eu pude cantar “Tú Eres Dios” (versão de Tu És Deus, claro) e “Como Nadie me Conoces” (versão de Como Ninguém me Conheces). Teoricamente temos vídeos destes momentos, vou esperar apenas para ver se os que a igreja gravou estão melhores que os nossos.

A música é uma parte importante da vida  da Iglesia Uno, e o responsável por ela é Javier Contesse, novo amigo que fizemos e que, além de compositor de mão cheia (assim como o Pr. Jonathan, e logo falaremos mais disso) dirige as bandas de ambos os locais de culto. Ele e sua esposa, junto a sua linda filhinha, estão de mudança para os Estados Unidos, onde ele estudará Adoração e Teologia pelos próximos 3 anos (inclua-os em suas orações, por favor 🙂 ). Para saber um pouco mais sobre a música reformada no Chile, acesse sua página no Facebook: Canción Reformada.

2015-04-19 13.20.22

Javier Contesse, eu e o Pastor Jonathan Muñoz

A Iglesia Uno está atualmente produzindo seu primeiro CD com 12 faixas (10 de autoria do Javier e 2 de autoria do Pastor Jonathan). Tive a oportunidade de participar de um dos ensaios para as gravações e ouvi 6 destas músicas – todas, sem exceção, excelentes. Creio que este trabalho, que deve ser lançado ainda este ano, será uma grande benção para a Igreja de língua Hispana, por um simples fato: prega aquilo de que temos falado e cantado há tantos anos, as Velhas Verdades do Evangelho do Reino.

A tradução de Tu és Deus e de Como Ninguém me Conheces é um primeiro passo para algo que está em nossos corações já há uns 5 anos, que é abençoar a Igreja Latino-Americana. É possível que em breve tenhamos mais algumas traduções e que, se Deus assim permitir, gravemos algumas destas faixas. Não é a busca por um novo mercado (graças a Deus que, quem me conhece, sabe como me oponho a isso). É a intenção de iniciar um trabalho missionário junto a igrejas que desejam ter material com boa base teológica para seus cultos, de forma a dignificar o Nome de Cristo também através da música. Por favor, ore conosco a respeito disso. Temos visto Deus abrir portas que nunca poderíamos imaginar.

Caso queira conhecer um pouco mais sobre a Iglesia Uno clique neste link, ou acesse a página da igreja no facebook. Ore por eles, pois têm sido um povo fiel às Escrituras e que genuinamente ama o Senhor Jesus.

Um abraço, e até breve!

Eduardo Mano

Lançamento – Voz Como o Som de Muitas Águas

Eis aqui o novo disco. Estou muito feliz em compartilhar estas canções com todos vocês, e espero que Deus as use para abençoar Sua Igreja. Como você já sabe, estas músicas foram gravadas em casa, e não em um estúdio. Na medida do possível, tentei dar o meu melhor tanto na execução das músicas quanto na produção, mas sei que há aqueles que não irão gostar – e está tudo bem. 🙂

Clique na arte abaixo para fazer o download.

VozComoOSom_dld

Como você lerá no encarte online, este disco é dedicado à memória de minha avó Cléia Borges Mano, que faleceu enquanto eu grava este disco. Aquilo que quero transmitir com este disco é que nosso Deus é soberano, e é Senhor da vida e da morte – e tudo coopera para o bem dos que O amam.

No vídeo abaixo eu falo mais um pouco sobre o disco e as músicas.

Mais um EP. É necessário?

img.post

Aos desavisados, eu estou gravando um novo EP. Ao todo serão 6 faixas, sendo que uma é a regravação de um hino. Já falei em inúmeras outras oportunidades o quão relevantes os hinos ainda são – sim, sou bem categórico nisto -, e pretendo fazer disso um hábito: regravar um hino a cada novo trabalho meu.

Pretendo lançar o EP no início de abril, se Deus assim permitir. E embora não haja problema nenhum no fato de eu usar meu próprio site para fazer propaganda de um novo lançamento, não é sobre isso que eu gostaria de falar.

Há mesmo a necessidade de eu (ou ainda, qualquer outro músico) gravar um novo trabalho?

Creio que a resposta seja sim, especialmente quando falamos em música cristã (e mais especialmente ainda quando pensamos naquilo que algumas gravadoras têm despejado no mercado). Mas uma resposta mais elaborada a esta pergunta é a seguinte: sempre – SEMPRE – precisaremos de músicas que nos lembrem da realidade de nossa vida cristã e da nossa necessidade de um relacionamento profundo com Deus.

Pense nos Salmos. Há Salmos de todos os tipos, com diferentes nuances. Há salmos que exaltam a Deus e Seu poder criador. Há salmos que falam do anseio íntimo do salmista por Deus. Há salmos que dizem que os inimigos de Deus prosperam enquanto os Seus servos padecem. A lista é extensa. E extensa é a variedade de sentimentos e momentos que vivemos em nossa vida cristã.

Muitas vezes o que a música gospel vende é uma vida monótona. Uma vida que pensa e enfatiza apenas um aspecto de nosso relacionamento com Deus – e geralmente é o aspecto vitorioso, onde tudo vai bem… o “gospel way of life“. Só que a realidade não é bem assim. Pessoas adoecem. Muitas morrem. Empregos são perdidos. Filhos nascem e trazem consigo desafios. Relacionamentos são iniciados e terminados. Amizades são desfeitas. Arrisco dizer que boa parte de nossa vida é vivida debaixo do cinza, e não das cores vivas da alegria. E creio ser um problema grave quando este cinza de nossas vidas não é confrontado com a Verdade das Escrituras. Explicarei melhor isso.

Se boa parte de nossas vidas comuns é vivida no cinza, na incerteza, precisamos desenvolver uma prática de adoração que seja coerente com esses momentos, para então podermos, confrontados pela realidade da Palavra de Deus, nos regozijarmos com uma das grandes realidades que a Bíblia quer nos apresentar: Deus, e somente Ele, deve ser nosso prazer e alegria.

Muitas vezes, ao chegarmos ao culto de domingo em nossas igrejas (pois sejamos realistas: poucos cristãos desenvolvem o hábito de participar de grupos pequenos durante a semana), as aflições de nossos corações não são apaziguadas por aquilo que cantamos. Na verdade, podem ser até mesmo pioradas. Ao invés de cantarmos sobre a realidade de encontrarmos descanso em Deus quando lançamos nossas aflições sobre Ele, cantamos que viveremos mudanças radicais em nossas vidas (geralmente de ordem financeira). Só que muitas vezes, não há indícios que uma mudança destas realmente venha. E de fato, talvez nem mesmo Deus tenha isso planejado para nossas vidas. E a angústia apenas continua.

Em João 6 nós lemos um relato fantástico a respeito de como muitos dos judeus da época de Jesus o viam como um utensílio, um bem de consumo. Em primeiro lugar, nos versos 1 a 15, vemos a primeira multiplicação de pães e peixes. Algo fantástico, extraordinário… um milagre sem precedentes. Só que poucos versos depois, em João 6.22-59, vemos que muitos dos judeus que estiveram multiplicação dos alimentos atravessaram o mar em direção a Cafarnaum em busca de Jesus. E Cristo sabia o intento de seus corações. Ele diz, em João 6.26: “Em verdade, em verdade vos digo que me buscais, não porque vistes sinais, mas porque comestes do pão e ficastes satisfeitos”.

É exatamente isto que temos feito, domingo após domingo. Temos ido a Jesus não por quem Ele é, mas sim pelos benefícios que poderíamos ter. E a música que é executada nos cultos de inúmeras igrejas pelo Brasil e pelo mundo tem enfatizado isso, esta busca utilitária por Deus, como se Ele fosse um caixa eletrônico onde simplesmente depositamos pedidos e retiramos bênçãos.

A música cristã deveria ter o papel de colocar tudo na perspectiva correta. E qual é esta perspectiva? A de que nossa maior fonte de alegria e prazer deveria ser encontrada em Deus, Nele apenas. Não no que Ele nos dá, pois como aprendemos com Jó, “Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá; o Senhor o deu, e o Senhor o tomou: bendito seja o nome do Senhor.” (Jó 1.21)

Toda música cristã, mesmo a que parece triste por ser escrita e cantada em tons menores, deve apontar para a fonte máxima de alegria e prazer nesta vida e na próxima: Jesus. E por isso que sim, vale a pena lançarmos mais músicas cristãs que exaltem a Cristo e ofereçam uma resposta às áreas cinzentas e nebulosas da vida, onde as incertezas por vezes são grandes, mas não podem esconder a mão de Jesus a nos guiar por meio dos vales e desertos.

Que Deus nos abençoe sempre com Sua presença.

Eduardo Mano