Dois Dedos de Teologia

Há uma semana atrás (ou algo assim) estive com Eline, Sarah e meus sogros em São Paulo para visitar meus cunhados. O que Deus nos reservava era estar na mesma cidade que Yago e Isa. Algumas mensagens de Whatsapp e pronto: agendamos um encontro.

Como Yago está no empenho de regravar tudo o que um dia fez parte do acervo do Dois Dedos de Teologia, aproveitamos que ele pregaria na Presbiteriana de Pinheiros e gravamos um vídeo por lá. Tem participação de minha filha Sarah, do Geolê, e também a comemoração pelos 5 anos do Webdocumentário Ministérios Fracassados. É… o tempo voa!

Sem mais delongas, eis o resultado deste encontro:

Sabia que o disco novo tem encarte?

Os tempos são outros. Quando eu era novo e comprava LPs (antes, muito antes do recente revival que o vinil experimentou), o grande barato (gíria de velho) era colocar o disco para tocar e acompanhar as letras no encarte, grandão, que acompanhava o disco. Anos depois, com o CD, o impacto não era o mesmo mas o ritual seguia: CD no player e encarte (pequenininho) na mão.

Mas hoje temos o Spotify, Deezer, Apple Music e outros. Como ficamos nós, os da velha guarda?

O Ergo Meus Olhos é o primeiro disco que lanço sem mídia física. Gostaria de dizer “por enquanto”, mas creio que esta decisão será definitiva. Só que, paradoxalmente, este foi o disco no qual mais trabalhei para ter um encarte digno. Acontece que, como poucos baixaram o MP3 do disco (que está aqui), quase ninguém sabe deste encarte. Por isso, usei a tal da tecnologia e fiz o upload do arquivo no issuu. Segue o livreto aí em baixo. E dá pra baixar – aviso para os que queiram.

Espero que gostem!

Eduardo Mano

Lançamento – Ergo Meus Olhos

Bem amigos… eis que chegou o dia. Hoje é o lançamento do meu novo disco, Ergo Meus Olhos. .

Vocês já sabem o roteiro. Tem download grátis do disco? Tem. Está nas plataformas de streaming? Está*. Tem encarte maneiro com letras, fotos e textos? Claro! Tem hino? Sim! Eu canto com minha esposa? Óbvio!

https://open.spotify.com/embed/album/77D4XKUfKGxpOWqjR05KSr

Algumas palavras são necessárias.

Este é meu disco mais “estranho”. Tenha isso em mente. O disco é um lançamento da FlorCaveira, com produção do Tiago Cavaco e com um trabalho lindo de mixagem e masterização do Max Folgado. Mano, Cavaco e Folgado. Se esse não for o disco com o maior número de sobrenomes diferentes já lançado no mundo, por favor, me digam qual é. Mas voltando à estranheza.

Ninguém espera de mim uma mega-produção fonográfica. Mas neste disco, os padrões de gravação são da FlorCaveira. Tudo foi gravado ao vivo (eu toquei e cantei ao mesmo tempo). Não fizemos overdubs (ou seja, não regravamos nada) e as faixas têm suas determinadas sujeiras.

As letras talvez sejam as mais congregacionais que já lancei. Fico feliz em escrever isto.

Como sempre, minha oração é que estas faixas sirva para a glória de Cristo e para o crescimento espiritual do povo de Deus. Se Deus permitir assim, está ótimo.

Se você gostar, compartilhe.

Um abraço, e que nosso Deus seja glorificado.

Eduardo Mano

Distrações e o trabalho para a Glória de Deus (ou Como o FIFA Mobile roubou meu tempo)

Recentemente comecei a refletir sobre aquilo que consideramos como “tempo livre”. Quando você é pai, tempo livre se torna um conceito bem abstrato. Minha esposa que o diga. Encontrar algum momento onde possamos distrair nossa mente daquilo que tentamos equilibra ao longo do dia parece algo inimaginável. Tempo livre, muitas vezes, é o que chamamos os poucos minutos que temos desde o momento em que nossa filha dorme até o momento em que nós vamos dormir.

Além disso, como designer autônomo, após passar o dia no trabalho muitas vezes chego em casa para o 2º tempo: projetos de clientes particulares ou pequenos freelances que preciso entregar. Eu não deveria dar muito espaço às distrações, mas infelizmente elas roubam minha atenção mais do que deveriam.

Uma das minhas distrações prediletas é o futebol. Além de acompanhar o time pelo qual eu torço, acompanho os campeonatos internacionais e o mercado de jogadores. Creio que esta até seja uma distração saudável, não gasto muito tempo com isso além de assistir às partidas televisionadas e ler alguns artigos. Mas há algo relacionado a este universo que realmente rouba meu tempo. Jogos de futebol.

Não tenho nenhum video-game. O último console que tive foi o Playstation 2, comprado usado por R$150,00 com 30 jogos e vendido pelos mesmos R$150,00 alguns meses depois. Isso em 2012. Mas a franquia FIFA Soccer sempre foi minha favorita, e tive as versões mobile desde o primeiro lançamento para Android, o FIFA 13. De lá para cá foram horas e horas gastas no jogo. Mas a coisa piorou no ano passado.

8 dias após o nascimento da minha filha, foi lançada a última versão do jogo, o FIFA Mobile. É um jogo realmente viciante. Além da aquisição de jogadores para montar o time dos sonhos, há ainda a disputa por pontos e prêmios que te obrigam a gastar tempo no jogo diariamente. E era o que eu estava fazendo. O jogo roubou meu rendimento no trabalho em casa, roubou horas de sono, roubou até meu tempo com Deus. Passava mais tempo jogando do que lendo a Bíblia nestes últimos meses. Fazia intervalos à noite, enquanto trabalhava, para jogar “apenas uma ou duas partidas”, e perdia 30, 40 minutos no jogo. Tempo que não volta, leituras que não voltam, sono que não volta.

Há alguns dias entendi que esta distração estava me impedindo de viver e trabalhar para a Glória de Deus plenamente. O jogo em si não é mal – futebol não é mal! Mas a forma como este aplicativo consumia meu tempo, isso era mal. Tornou-se um vício. Decidi apagar o aplicativo para ter menos distrações e mais tempo produtivo com aquilo que importa. Compor, tempo devocional, escrever, trabalhar com mais foco, dormir um pouco mais. Mesmo que o jogo nunca tenha roubado meu tempo com minha esposa e filha, ele roubava meu tempo com Deus, o que ainda mais grave. Se eu só posso ser um marido e pai correto através da entrega irrestrita da minha vida ao senhorio de Cristo, como posso negligenciar meu tempo com Ele?

Um texto que sempre me impactou é o Salmo 127. Tanto que escrevi uma música tendo ele como base. Mas passando da parte da edificação da casa, tem algo que é muito especial e que sempre teve um gosto agridoce para mim: o verso 2. “É inútil que madrugueis, que tarde repouseis, Que comais o pão de dores: Aos seus amados ele o dá enquanto dormem.” Deus valoriza muito o descanso (o relato bíblico da criação nos ensina isso de forma estupenda) e o sono. Os Salmos 3, 4 e 127 deixam isso bem claro, mas o 127.2 é especial. E sinto que, ao estender meu dia e reduzir meu sono, estou perdendo algo muito grande, seja o descanso ou aquilo que Deus quiser dar.

Distrações não são necessariamente más. Mas somos responsáveis pela forma como as utilizamos, pelo tempo que empregamos em coisas fúteis. Assistir a um jogo do time que torcemos não é algo necessariamente ruim, mas não tenha dúvida: deixar de passar tempo com Deus para gastar com jogos, é. O mundo não entende isso, mas é. E nós, adultos, que cremos sermos senhores do nosso tempo, somos responsáveis pela forma como o gastamos. Deus é infinitamente melhor do que montar um time com Reus na ponta esquerda, Hazard no ataque e Di María na ponta direita.

Velhas Verdades em Portugal, 05

Feliz Ano novo. Mesmo que com alguns dias de atraso.

Geralmente a virada de ano é um momento em que passamos cercados de nossos familiares, ou daqueles a quem amamos e conhecemos bem. Imagino que muitos dos que acompanham este ministério tenham passado a noite de ano novo desta forma. Para nós, foi um pouco diferente.

No Brasil, estamos acostumados a retiros de carnaval, ou de páscoa, ou de outros feriados prolongados. Algo que vivenciamos aqui foi inédito (ao menos para nós): um congresso de missões em plena virada de ano. E conversando com os organizadores, descobri que isso é algo que, há alguns anos, era bem comum aqui na Europa: congressos de missões na virada do ano, onde milhares de jovens se reuniam para ouvir preleções de missionários das mais diversas organizações. E assim, vivenciando algo inédito, passamos a virada de ano no Centro Bíblico de Esmoriz, norte de Portugal, com mais 60 jovens batistas interessados em missões. Não conhecíamos muitos deles, mas Cristo nos faz uma só família.

Nossa participação foi, para nós, igualmente peculiar: após a última mensagem de 2015, pelo Pr. Téo Cavaco, da Igreja Baptista de Braga, e após 15 minutos de oração pelos continentes, e após a contagem regressiva (decrescente, como dizem por aqui), fui incumbido de realizar um concerto. O primeiro do ano. E lá fomos nós, tocar 10 canções em meio à lareira, árvore de natal, crianças, almofadões e rabanadas. Eis aí em baixo um vídeo que não me deixa mentir.

Mas antes do ano novo, passamos o natal e alguns dias com o Pr. Dinê, sua esposa Rose e Ana Clara, a filha deles. Foram dias alegres e de renovação para nós.

Com isso, nossa temporada no Norte de Portugal se encerra. Na próxima sexta-feira iremos para Lisboa, viver nossos últimos dias por aqui. E pela graça de Deus, teremos ainda outras oportunidades de servir as Igrejas de lá.

Continuem em oração por nós. Temos visto Deus falar conosco, e temos sentido como é bom ser instrumentos Dele para o estabelecimento de Seu Reino na terra.

Um abraço!

Eduardo e Eline Mano

Velhas Verdades em Portugal, 04

12248188_1101368219876072_3645318769282943073_o

Este nosso tempo em Portugal serviu para reafirmar algumas coisas que estavam em meu coração há tempos, mas que por diversos motivos acabaram perdendo a força. E esse novo vigor veio, em primeiro lugar, pela Graça de Deus. Em segundo lugar, veio pelo encontro – finalmente – de alguns amigos já antigos, mas que só conhecia pela internet. E o primeiro deles é o Tiago Cavaco.

A primeira vez que ouvi falar do Cavaco foi em 2008, e ele ainda atendia pela alcunha artística Tiago Guillul. Foi algo transformador para mim. Ouvir um músico português, reformado, que aspirava o ministério, criador do próprio selo e referência em seu país, foi algo que me deixou atordoado. Tentei consumir o que conseguia a seu respeito: busquei entrevistas em sites, músicas no youtube, tentei baixar – e consegui – seus discos de forma ilegal (essa é uma confissão que apenas agora ele saberá). Tudo o que lia e ouvia a seu respeito me deixava admirado.

Descobri seu blog e tornei-me leitor assíduo. Descobri que ele tinha um email, e escrevi. Para minha surpresa, ele respondeu. Daí iniciamos uma amizade que tinha a internet por base. De lá para cá, fiz uma participação em seu disco de 2012 (Amamos Duvall, na faixa Dança como David) e convidei-o a participar e produzir um trabalho meu (ainda por concluirmos esta parte). E então viemos para cá.

Logo que soubemos que viríamos para cá, dando continuidade aos estudos de Eline, pensamos que deveríamos “redimir” esta viagem, e nos propusemos a servir como missionários em Portugal, junto às igrejas que abrissem as portas para nos receber. Disso vocês já sabem. A primeira pessoa com quem fizemos contato para tanto foi com o Cavaco, e como nossas passagens de entrada no país seriam por Lisboa, ele e sua esposa, Ana Rute, nos receberam em sua casa nos primeiros dias.

Uma nota pessoal. Conhecer os Cavaco foi, para mim, uma realização pessoal, tamanha a influência que eles (sim, o casal Tiago e Ana Rute) têm em minha vida. A forma como criam seus filhos, o empenho no ministério eclesiástico, a vida que mais se assemelha a uma doxologia. Eu já os amava antes mesmo de vê-los.

Infelizmente por conta da distância (eu e Eline estamos no Porto, norte de Portugal, e eles em Lisboa), foram poucos os momentos em que estivemos juntos, mas todos muito proveitosos. Tanto que o último foi um dos pontos altos da minha “carreira” musical. Contarei esse momento.

O Cavaco tem se destacado não apenas como músico e pastor, mas também como escritor. No ano passado lançou seu primeiro livro, sobre casamentos, e este ano já lançou mais dois: um como organizador e escritor e outro baseado em uma série de sermões que pregou.

Para o lançamento deste último livro, ele veio a Gaia (cidade vizinha ao Porto, ligada pelo metrô), e, óbvio, eu e Eline fomos. Conversando sobre a possibilidade de nos vermos, ele me convidou para cantar algumas músicas com ele durante o lançamento. Óbvio que aceitei. O problema é que eu precisava conseguir um violão. O que eu não consegui. Comuniquei a ele por email e nos conformamos com a possibilidade de um abraço.

Chegando no shopping onde seria o lançamento – que teve um outro ponto alto, já que pude conhecer outro português da internet, o Jorge Oliveira – pudemos conversar por alguns minutos antes que ele tivesse que ir para a mesa da entrevista. Estava muito feliz só de estar ali. O Tiago é um cara gente fina e tê-lo como amigo é realmente um privilégio. Ouvir algumas das linhas do livro na voz do Jorge e ver como um pastor batista, marido, pai de quatro filhos e músico punk é tão relevante para o cristianismo em Portugal foi uma inspiração.

E então ele foi para o violão, e começou a tocar os primeiros acordes de Igrejas Cheias ao Domingo (do disco que ele lançou em 2008, que me levou a conhecê-lo). E isso aconteceu (assista o vídeo abaixo).

igrejas cheias ao domingo from rute carla on Vimeo.

Não preciso dizer que foi um momento épico para mim. Coisas que Deus concede que são graça pura. E força para continuar algumas coisas.

Iniciei o texto dizendo que algumas coisas foram reafirmadas. Uma delas é o Velhas Verdades Discos. Nunca falamos abertamente nisso, mas em conversas com o Diego e com o Rafael, chegamos a anunciar entre nós o fim do selo. E isso caminhava para ser o futuro mesmo: apenas uma ideia que foi legal, mas nada além. Esse tempo aqui em Portugal tem servido para mostrar que o selo é importante, e deve continuar. Portanto, em 2016 vocês devem ouvir falar dele ainda.

Se você é um dos 5 que conseguiu terminar de ler este texto, obrigado. Ore por mim e por Eline, e pelo ministério que Deus nos tem dado. ore também pelo Tiago e pela Ana Rute, por seus filhos, pela Igreja Baptista da Lapa e por tudo o que está em suas mãos. Eles são queridos, tementes a Deus, e certamente o trabalho deles em Portugal não é em vão. Na verdade, todos os trabalhos que temos conhecido aqui, nenhum é em vão. Ore pelos que semeiam e colhem em Portugal.

Um abraço!

Eduardo e Eline Mano

Velhas Verdades em Portugal, 03

Pois decidi nada saber entre vocês, a não ser Jesus Cristo, e este, crucificado. 1 Coríntios 2:2

Desde que assumi o Velhas Verdades como o nome do ministério que levaria para frente, pensei que o texto acima era mais que ideal para refletir o propósito de se ter um ministério baseado na Palavra de Deus e que fosse trabalhar com música e missões. E tenho visto que Deus já provou, mais de uma vez, que este caminho é acertado.

Nas duas últimas semanas eu e Eline aproveitamos os baixos preços de passagens aéreas aqui pela Europa e fomos visitar alguns amigos, ministérios e igrejas em países próximos. Neste relatório, gostaria de destacar dois momentos.

Estivemos em Paris visitando o pastor Gustavo Faleiro, que em alguns dias retornará ao Brasil mas que mantém um trabalho muito importante na cidade. Pudemos conversar e partir do pão com ele, sua esposa Dalila e filhos. Soubemos sobre o trabalho que eles têm empreendido na cidade e de como toda a situação dos atentados se formou. Nosso sentimento enquanto andávamos pelo metrô e trens da cidade, bem como nas ruas, era de um povo desesperançado. Infelizmente, quando falamos sobre isso com eles, soubemos que este é o clima geral da cidade, e não só por causa dos atentados. Infelizmente há muitos suicídios, descaso de filhos em relação aos pais e dificuldade em aceitar uma mão estendida em ajuda. Ore pela Église Bonne Nouvelle, que permanece firme enquanto eles estiverem de volta ao Brasil, e também pela Missão França, que visa a pregação do Evangelho no país.

Estivemos também na cidade de Milão, onde fomos acolhidos pelo casal Ângela e Osiel, líderes da Chiesa Cristiana Evangelica Battista di Milano. A igreja, liderada por brasileiros e italianos, mas de fala italiana, tem sido um farol na cidade, e tem a simpatia de muitas pessoas que estão próximas a ela, mesmo não cristãos. Através de um amigo em comum, o pastor André Aguiar, pudemos servir a estes irmãos trazendo a palavra e o louvor durante um final de semana. O carinho com o qual fomos recebidos nos constrangeu. Brasileiros e italianos, de igual forma, foram muito amáveis e receptivos, mesmo que a língua fosse uma barreira. Chegamos a traduzir, com a ajuda do pastor André, três de nossas músicas (Mais Chegado que um Irmão, Como Ninguém me Conheces e Tu és Deus), mas não tivemos tempo para utilizá-las. Mas nada impede que as utilizemos no futuro. Ore pelos irmãos em Milão e por tudo aquilo que Deus tem reservado para eles no próximo ano.

O casal Ângela e Osiel, que plantou e hoje lidera, junto a outros irmãos, a Igreja Evangélica Batista de Milão

O casal Ângela e Osiel, que plantou e hoje lidera, junto a outros irmãos, a Igreja Evangélica Batista de Milão

Voltando um pouco no tempo, no final de semana anterior à nossa viagem, estivemos na cidade de Guimarães, um pouco mais ao norte de Portugal, distante 1 hora (de trem) do Porto. Passamos o final de semana com o pastor Dinê Lóta, missionário da Junta de Missões Mundiais da CBB, e com sua esposa Rose e linda filhinha, Ana Clara. Dinê e eu estudamos juntos há quase 20 anos no colégio, e pela graça de Deus podemos estar novamente juntos em terras portuguesas. Em Guimarães, participamos do aniversário da congregação que ele pastoreia, filha da Igreja Baptista de Braga. Possivelmente estaremos juntos novamente, ainda em dezembro. Ore pelo pastor Dinê e sua família, bem como sua igreja. Guimarães é uma cidade fantástica, e Portugal é um país carente do Evangelho.

Dezembro e janeiro nos reservam muito trabalho, peço que orem por nós. Em breve escreverei mais um pouco sobre o que temos pela frente.

Um forte abraço a todos!

Eduardo e Eline Mano